O que é uma doula?

Esta secção está dividida em várias partes. Consulte a parte mais abaixo para perguntas e respostas específicas.

O que é uma doula?

Uma doula é alguém (mulher/homem/pessoa não binária) que compreende a fisiologia do nascimento e presta apoio emocional e informativo, baseado em evidências científicas (sempre que possível), a outras pessoas durante a gravidez, parto, pós-parto, ou em outras situações como na amamentação, pré-conceção ou perda gestacional.
Lê-se: Dou-la e não Dula (versão em inglês), ou doulá. (Fonte: Rede Portuguesa de Doulas
)

Antigamente, dar à luz era um momento de apoio e cumplicidade entre mulheres. Uma experiência vivenciada no seu domicílio com o acompanhamento de outras mulheres com maior experiência no sentido de dar conforto e apoio num ambiente envolto de humanidade. 

A passagem para o ambiente hospitalar dificultou este acompanhamento da mulher por outras mulheres, desprovendo-a de tudo o que lhe era familiar. No contexto hospitalar as mulheres foram perdendo protagonismo neste momento tão seu, passando a ser acompanhadas por profissionais com os quais não tinham qualquer ligação e sujeitas a uma actuação demasiado medicalizada e instrumentalizada. 

Lentamente por todo o mundo tem-se recuperado o protagonismo feminino e cada vez mais bibliografia baseada em evidência científica tem surgido no sentido de promover a importância deste acompanhamento durante a gravidez, parto e pós parto por uma doula. 

A palavra doula deriva do grego e quer dizer “aquela que serve”. Ou seja, doula é a pessoa com conhecimento e experiência em nascimentos, treinada para servir outra mulher/casal/pessoa significativa durante a gravidez, o parto e o pós parto, facilitando apoio emocional e físico. 

O papel da doula

O trabalho de doula pode iniciar na fase pré-concepcional de forma a criar um vínculo, conhecendo a história da mulher/casal/pessoa significativa, suas expectativas, medos e crenças limitadoras.

Durante a gravidez são realizadas sessões que através de apoio emocional, esclarecimento de dúvidas e transmissão de informação baseada em evidência científica permitirá vivenciar a experiência de modo mais consciente, proporcionar um parto mais humanizado e potenciar um pós-parto mais positivo. Ajuda também a planear e desmistificar o trabalho de parto e puerpério (pós-parto).

No trabalho de parto, a doula está ao lado da mãe criando uma esfera de proteção e confiança que facilita a progressão do trabalho de parto. A doula possui um papel de suporte contínuo, facilitando-o através de apoio emocional, encorajamento e sugerindo medidas de conforto.
É também o elo de comunicação entre a mulher e equipa de saúde, esclarecendo desejos do plano de parto e facilitando a compreensão sobre os possíveis procedimentos hospitalares recorrendo a uma linguagem mais clara e menos técnica.

Durante o trabalho de parto, a doula não substitui o pai/pessoa significativa. Mas fornece-lhe conhecimento e ferramentas para um papel ativo durante este processo. 

A doula não realiza nenhum tipo de intervenção médica ou invasiva. Esta profissional pretende apenas contribuir para um parto feliz, em conjunto com a restante equipa multidisciplinar e deverá encaminhar a mulher/casal/pessoa significativa a outros profissionais caso a situação vivenciada estiver além das suas competências.

No pós-parto ou puerpério, a doula presta serviços no que respeita aos cuidados a ter com o recém-nascido, apoio na amamentação, adaptação da família a um novo elemento ou realização de pequenas tarefas domésticas (caso a doula disponibilize este serviço).

Evidências Científicas

O parto é um evento social, afetivo, físico, sexual e emocional, e no ambiente desconhecido e mecanizado dos grandes hospitais assiste-se a um incremento de medo, ansiedade e dor, que estão profundamente relacionados (um leva ao outro e aumentam-se reciprocamente). Surge assim a necessidade de considerar o apoio emocional e afetivo à grávida em trabalho de parto. Os estudos de Klaus e Kennell comprovam exatamente isso: não há risco algum em ter um acompanhante de parto. Antes pelo contrário, os autores verificaram que são muitos os benefícios deste acompanhamento, tais como a redução da duração do trabalho de parto, menor perceção da dor, maior satisfação das mulheres, menos taxas de cesariana, etc.

A Biblioteca Cochrane de Medicina Baseada em Evidências deixa clara a importância das doulas para a melhoria dos resultados obstétricos.
Os estudos são evidentes quanto à vantagem de ser acompanhada por uma doula:

50% de redução nas cesarianas;
25% de redução na duração do trabalho de parto;
30% de redução no uso do fórceps;
40% de redução no uso de ocitocina;
60% de redução no uso de analgesias epidurais;
30% de redução no uso de medicação para dor.

Além disso, outros resultados positivos foram acrescentados, a saber:
Aumento nas taxas de amamentação;
Diminuição dos índices de Depressão Pós-Parto;
Aumento da satisfação materna;
Reforço da interação mãe-bebé.

Que mais benefícios traz uma doula?

Fonte: Rede Portuguesa de Doulas


A presença da doula produz um clima de intimidade, carinho, afeto e, acima de tudo, segurança.
As mães relatam uma experiência de parto mais satisfatória e gratificante, sentem-se mais fortalecidas, apresentam níveis mais baixos de ansiedade e níveis mais elevados de atenção e recetividade para com o seu bebé. O risco de depressão pós-parto também é diminuído. Tudo isto favorece o vínculo precoce entre ambos.
Além dos benefícios para mãe existem outros benefícios importantes:

Para o bebé
Os benefícios para o bebé também são evidentes. O risco de complicações e de internamento prolongado é diminuído, favorece-se o sucesso da amamentação e o reforço do vínculo mãe/pai/cuidadores e o bebé.

Para a equipa hospitalar (médicos e enfermeiros)
No que concerne à equipa médica, a doula contribui também para a diminuição da sua ansiedade, da pressa, dos receios e de todas as intervenções médicas daí decorrentes.
A presença da doula ajuda a grávida a perceber qual a melhor altura para se dirigir ao hospital/maternidade, evitando que essa deslocação se realize demasiado cedo (processo que pode desencadear a trilogia stress/tensão/medo).
A entrada no trabalho de parto franco (ativo) e a chegada ao ponto de não retorno (a partir da meia dilatação) asseguram e firmam a confiança da parturiente e da equipa médica. Optar por ter uma doula é, muito provavelmente, a decisão mais importante que uma mulher pode tomar durante a gravidez para tentar viver um parto humanizado.

Outras perguntas:

  • A doula faz o parto?
    Nem pensar! Acreditamos que quem faz o parto é a mãe e o bebé, com a ajuda preciosa da/o parteira/o (enfermeira/o especialista em saúde materna e obstétrica – EESMO) que é responsável pela segurança da mulher e bebé.
  • Vamos ter um bebé em casa, basta ter uma doula?
    Não, de forma alguma. Primeiro precisa de saber se é uma boa candidata a um parto em casa (gravidez de baixo risco, por exemplo), ter uma doula e procurar então uma parteira ou parteiro. Aqui pode encontrar alguns. Deve dirigir-se ao site da Ordem dos Enfermeiros e verificar se a parteira que procura está inscrita nesta Ordem. Se não estiver, faça reclamação e procure outra que esteja inscrita. Apenas o/a enfermeiro/a especialista em saúde materna e obstétrica está habilitado para acompanhar partos em casa e apenas este é responsável pela segurança médica da mãe e bebé. Isso não é responsabilidade da doula.

-As Doulas acompanham a grávida durante a gestação, dando apoio emocional, esclarecendo dúvidas e facilitando informação. Mas a Doula desempenha o seu papel durante todos os processos da gravidez?

  • O papel da doula é esse exatamente, apoiar informativamente baseando-se em evidências científicas e apoiando emocionalmente, para que durante a gravidez, parto e pós-parto a mulher ou casal possam ver as suas dúvidas, medos ou outras questões, esclarecidas e aprofundadas. Mesmo antes da gravidez, a doula tem um papel ativo no esclarecimento de dúvidas e no desenvolvimento pessoal de cada mulher que se prepara para a maternidade.

-Quando se pode contactar uma Doula? As doulas trabalham só com a mulher ou também com o pai do bebé ou outra pessoa significativa?

  • Pode contactar uma doula quando quiser. O ideal seria antes de engravidar pois nessa altura podemos ir já preparando o terreno para outros assuntos e ajustando tudo. Claro que por vezes também somos contactadas pelos pais ou outras pessoas que estão com a mulher/mãe. Mas não é tão comum. E sim, trabalhamos também com o pai do bebé, se assim ambos o desejarem, ou com quem estiver a acompanhar a grávida, seja a companheira, parente, pessoa significativa.

-Que conselhos ou diretrizes devemos seguir para escolher uma doula?
Seguir o coração. Depois disso ler o Código de Ética da Rede Portuguesa de Doulas e voltar a seguir o coração. A escolha da doula precisa vir desse espaço no peito onde reside o amor. A empatia. A confiança. Se não sentir nada disto com a sua doula, mude de doula.

-Qualquer mulher pode optar por ter um parto hospitalar ou um parto em casa?
O parto em casa é tão ou mais seguro que o parto hospitalar segundo os estudos científicos mais recentes desde que acompanhado por profissionais de saúde competentes (enfermeiros especialistas em saúde materna e obstétrica ou parteiras/os). Mas exige algumas considerações. A mulher precisa ser saudável, com um bebé de termo saudável também. Gravidezes de risco devem ser atendidas no hospital. De resto, se a mulher se sentir segura em casa, o parto pode ocorrer lá. Se apenas se se sentir segura no hospital, mesmo sendo uma gravidez de baixo risco, é no hospital que deve ter o seu bebé. Porque cada mulher deve apenas ter o seu bebé no local onde se sentir mais segura! Já fez o seu Plano de Parto?

  • As doulas levam dinheiro pelo seu trabalho?
    Claro que sim, é um trabalho como qualquer outro, que exige despesas, tempo e dedicação profunda, muitas vezes 24h sobre 24h. Algumas fazem voluntariado no início, mas recomendamos sempre que coloquem um valor neste trabalho. O dinheiro ainda é uma forma de troca, muito válida na nossa sociedade. Se tiver dificuldades financeiras, escolha a sua doula primeiro e depois explique isso. Há várias formas de contornar essa situação com certeza.
  • Ouvimos falar das doulas que fazem partos. É verdade?
    Se ouviste falar em pessoas assim deves saber que isso é ilegal e deverás escrever uma reclamação à Ordem dos Enfermeiros para que estes indiquem essas mulheres ao Ministério Público, pois essas práticas são proibidas. Apenas o/a enfermeiro/a especialista em saúde materna e obstétrica pode garantir a segurança da mãe e bebé em partos de baixo risco. Uma doula deverá ter um Código de Ética e nesse código deve expressar claramente que esta não efetua atos médicos. Se a vossa doula não tem código de ética, isso por si só já é um mau princípio.